Version FrançaisePolski WersjaEnglish VersionVersione ItalianaVersion EspañolaVersão Portuguesa

Home > Comunicação Social > Sala de Imprensa > Notícias > ARQUIVO > Arquivo 2004-2006 > ARQUIVO 2005 

Multimedia         



História   

Mensagem de Fátima   

Reitoria | Serviços   

Locais | Monumentos   

Peregrinos a Pé    

Casamentos | Batismos   

Acolhimento|Informações   

Pedidos de Oração   

Comunicação Social   

Transmissões online - Capelinha das Aparições   

Homilias |Mensagens    

Links   

Contactos   

Newsletter   





Imagem Peregrina de Fátima em peregrinação nacional pelos mosteiros de clausura em Portugal


Movimento da Mensagem de Fátima




Notícias

ARQUIVO 2005


 Imagem de Nossa Senhora de Fátima visitou Lisboa


A imagem da Virgem da Capelinha das Aparições foi levada a Lisboa onde, no dia 12 de Novembro, a cidade se consagrou a Nossa Senhora de Fátima.
O acto de consagração, após uma procissão de velas com a imagem, foi uma das várias iniciativas que integraram o programa religioso do Congresso Internacional para a Nova Evangelização, que decorreu na capital portuguesa de 5 a 13 de Novembro.
No dia 13, ao início da tarde, a imagem regressou à sua Capelinha, onde foi recebida por entre palmas, cânticos e muita emoção.

Tarde de 13 de Novembro:

A imagem de Nossa Senhora de Fátima regressou à sua Capelinha

Emoção e fé na recepção da imagem da Virgem na Cova da Iria

No dia 13 de Novembro, foi grande a emoção no Santuário de Fátima, no momento do regresso da imagem de Nossa Senhora, terminada a visitação a Lisboa.
Após a comovente manifestação de fé vivida na noite do dia 12, em Lisboa, com a consagração da Diocese e da Cidade a Nossa Senhora de Fátima, depois de uma grandiosa peregrinação/procissão de velas pelas principais ruas da capital portuguesa, na qual terão participado, de acordo com os dados oficiais divulgados, 500 mil pessoas, a imagem regressou à Cova da Iria onde foi recebida com uma enorme salva de palmas, ao som do cântico “Bendizemos o Teu nome”.
A entrada da imagem no Recinto do Santuário, passavam poucos minutos das 14h30, realizou-se pelas traseiras da Capelinha das Aparições. Antes de ser colocada no seu local habitual, a imagem ficou sobre o altar da Capelinha, perante a alegria e a comoção de mais de dois mil fiéis, que não paravam de bater palmas.
Em termos de entidades eclesiais, receberam a imagem original de Nossa Senhora de Fátima que se venera na Capelinha das Aparições, D. Serafim de Sousa Ferreira e Silva, Bispo de Leiria-Fátima, e o P. António de Sousa, capelão e director do Serviço de Administração do Santuário de Fátima.
Os participantes na celebração batiam as palmas emocionados. O Sr. Bispo começou por dizer “Acaba de chegar a imagem de Nossa Senhora”, mas interrompeu as suas palavras porque as palmas se ouviam mais alto. Depois, seguiu-se o silêncio e o recolhimento. Apenas uma voz de homem o interrompeu. Dizia: “Viva Nossa Senhora de Fátima, viva Portugal!” e, de novo, as palmas.
A todos, D. Serafim, também visivelmente emocionado, disse que a imagem da Virgem, acabada de regressar de Lisboa, “de uma das maiores manifestações de fé vividas nos últimos tempos”, tinha visitado dois outros lugares na capital portuguesa, em visita particular.
A imagem da Virgem de Fátima, antes da procissão pelas avenidas de Lisboa, visitou a Universidade Católica Portuguesa, “simbolicamente, para mostrar que a educação é fundamental”, afirmou o prelado.
Uma segunda paragem aconteceu no Instituto Português de Oncologia (IPO). “No IPO a Virgem deixou uma bênção grande, que não é um remédio, é uma energia, para quem acredita na vida eterna. Para quem acredita nesta vida; que tem dificuldades, doenças e problemas; e para quem acredita numa vida que se transforma, mas que não acaba”, disse D. Serafim.
Nas suas breves palavras dirigidas aos presentes, o Bispo de Leiria-Fátima, que integrou o grupo de bispos que participou na procissão em Lisboa, confessou: “Eu ontem chorei em Lisboa”. Mais tarde, após a celebração da recepção da imagem, disse à Sala de Imprensa do Santuário: “Eu queria dizer tanta coisa a esta gente, o meu coração exulta de alegria!”.
“Na procissão em Lisboa ninguém levou cartazes contra os inimigos, os opositores, o desemprego. Levantou-se apenas a bandeira da paz. Estavam todos a uma só voz, ninguém condenou ninguém”, disse D. Serafim, na Capelinha.
Para as vozes mais críticas, que consideram que a RTP deu demasiado destaque às cerimónias realizadas na tarde e na noite do dia 12 em Lisboa, D. Serafim Ferreira e Silva disse: “Temos os futebóis, temos política, temos tanta coisa! Precisamos de colocar a nossa fé na vida pública!”.
A imagem foi entretanto colocada na sua coluna na Capelinha das Aparições e o Bispo pediu um aplauso, em tom de agradecimento, à associação de Servitas de Nossa Senhora de Fátima, “pelo cuidado que tiveram com a imagem, pela delicadeza, pela atenção”.
A cerimónia terminou após a oração, por três vezes, da Ave Maria, por três intenções especiais escolhidas por D. Serafim Ferreira e Silva: a primeira foi “pela paz no mundo”, a segunda “pela Mensagem de Fátima” e a terceira “para que o Congresso Internacional para a Nova Evangelização produza bons frutos”.

 

----------------------------------

Tarde/Noite de 12 de Novembro:

Diante da imagem da Capelinha das Aparições

Lisboa consagrou-se a Nossa Senhora de Fátima

A imagem de Nossa Senhora de Fátima da Capelinha das Aparições foi levada a Lisboa onde, no dia 12 de Novembro (sábado), a cidade se consagrou a Nossa Senhora.
A coroa preciosa, oferecida pelas mulheres de Portugal e na qual foi incrustada a bala oferecida por João Paulo II, acompanhou a imagem, que saiu privadamente de Fátima, na manhã do dia 12, em direcção a Lisboa, tendo como destino final a Igreja de Nossa Senhora de Fátima.

O acto de consagração foi uma das celebrações que integraram o programa religioso do Congresso Internacional para a Nova Evangelização, que decorreu na capital portuguesa de 5 a 13 de Novembro.

 

Salve Rainha!

Na Praça dos Restauradores, pela voz do Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo, a cidade e a Diocese consagraram-se à Virgem, nestas palavras: 

 

 

«Mãe Santíssima, A cidade de Lisboa está, hoje, a vossos pés, aclamando-Vos com ternura filial, com aquela saudação que Vos surpreendeu e comoveu há dois mil anos: “Ave Maria, cheia de graça, Vós sois bendita entre as mulheres”. O Povo Português, ao longo da sua história exprimiu essa saudação com aqueloutra que sublinha bem o lugar que tendes no nosso coração e na nossa cidade: “Salve Rainha!”. Se aquela é a proclamação do mistério que Deus realizou em vós, ao escolher-Vos para serdes a Mãe de Jesus e nossa Mãe, esta é um preito de vassalagem de um Povo que quer que sejais sua Rainha. Com esse gesto, considera-Vos membro desse Povo, a primeira, a mais honrada e o modelo inspirador para todas as mulheres portuguesas. 
“Salve Rainha”, Vos repetimos nós, hoje, porque esperamos que nos leveis a Cristo, fonte da Vida, porque Vos pedimos que nos ensineis a amar com a simplicidade e radicalidade com que o Vosso coração de mulher se abriu ao amor, porque queremos confiar em Vós, deixar-nos atrair por Vós, porque nos abandonamos à Vossa ternura maternal.
Ao aclamar-Vos como nossa Rainha, confiamo-Vos a nossa cidade, assinalada por marcos que sublinham a confiança filial dos habitantes de Lisboa. Vós sois, há muito tempo para eles, a Senhora de Belém, a Senhora da Saúde, a Senhora da Rocha, a Senhora da Penha de França, a Senhora do Amparo, a Senhora de Fátima, títulos que mostram bem a confiança que a  cidade de Lisboa deposita em Vós e se reúnem todos na designação de Santa Maria Maior, título da nossa Catedral, a Igreja Mãe desta diocese de Lisboa.
Porque fazeis parte da nossa cidade e da nossa história, Vos aclamamos hoje, com confiança renovada, como nossa Rainha e Protectora e Vos consagramos a nossa diocese e a nossa cidade de Lisboa.
* Consagramo-Vos a Igreja de Lisboa. Conduzi-a à intimidade com o Vosso Filho, Cristo Vivo e fonte da vida. Guiai-a no caminho da santidade que há-de brotar de cada Eucaristia que celebra; tornai-a firme na fé, sólida na esperança, generosa na caridade. Ajudai-a a ser testemunho vivo de vida nova, em Jesus Cristo.
* Consagramo-Vos os nossos seminaristas e sacerdotes. Vós que correspondestes ao chamamento misterioso de Deus, ensinai-os a entregar-se confiadamente e sem limites à vocação a que Deus os chamou. Que sejam servidores como Vós fostes serva, que sejam felizes no seu dom, protegei-os nas suas lutas, iluminai-os nas suas dúvidas, defendei-os das tentações e do espírito do mundo. Eles “estão no mundo, mas não são do mundo!”. Ensinai-os a serem pastores, “sacramentos” de Cristo Bom Pastor, e a fazerem de cada Eucaristia um momento de júbilo e de louvor.
* Consagramo-Vos as famílias cristãs. Vós que sois Virgem, Esposa e Mãe, revelai-lhes o verdadeiro segredo do amor, que na sua pureza e generosidade é sempre virginal. Tornai-as fortes na fidelidade, generosas na fecundidade. Revelai-lhes a beleza da comunidade. Protegei-as dos ataques de que são tantas vezes alvo pela cultura permissiva, por leis desajustadas e pelo cultivo desmesurado da liberdade individual.
* Consagramo-Vos as mulheres cristãs da nossa diocese, as esposas e as mães, as jovens e as que já tocam o ocaso da vida, as que consagraram o seu coração a Cristo e à Igreja, e todas as que trabalham na missão da Igreja. Vós, mulher como elas, comunicai-lhes esse modo feminino de amar, que tão fecundo pode ser na Igreja e no mundo.
Ensinai-as a deixar-se atrair pelo amor de Jesus Cristo, sobretudo na Eucaristia que celebram.
* Consagramo-Vos os nossos jovens. Cativai-os, prendei-os a Vós, porque convosco eles vencerão dúvidas e hesitações, valorizarão o que de mais íntimo e profundo há nos seus corações, como o anseio pela vida. Assim mergulharão no amor infinito do Vosso Filho Jesus Cristo. Acarinhai-os, Senhora, protegei-os com o Vosso amor de Mãe, ensinai-os a amar.
* Consagramo-Vos toda a nossa cidade, os seus responsáveis, todos os que procuram generosamente fazer dela um espaço de convivência e de dignidade. Entregamo-Vos também aqueles que não são crentes ou adoram a Deus noutra religião. Só Vós sabeis como ajudá-los, só Vós podeis tocar-lhes o coração, para terem a simplicidade de procurar resposta para as suas inquietações. Vós sois, o mais vivo luzeiro de onde pode irradiar a luz que lhes toque os corações.
A cidade de Lisboa está a Vossos pés, Virgem Santíssima. Vós sois a nossa Rainha. Fazeis parte da nossa cidade. Só convosco podemos percorrer os caminhos de um futuro jubiloso e libertador.».

Esta foi a nona saída da imagem que se encontra na Capelinha das Aparições.

De acordo com dados fornecidos pelo Serviço de Estudos e Difusão (SESDI) do Santuário de Fátima, a primeira viagem da imagem de Nossa Senhora de Fátima da Capelinha das Aparições decorreu entre 7 e 13 de Abril de 1942, para o encerramento de um congresso promovido pelo Conselho Nacional da Juventude Católica Feminina, em Lisboa.
A segunda saída veio a acontecer por ocasião do tricentenário da proclamação de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal, em 1946. A imagem saiu do Santuário de Fátima na manhã do dia 22 de Novembro e regressou a 24 de Dezembro, após um périplo pela Estremadura e Ribatejo.
A terceira saída teve lugar entre Outubro de 1947 e Janeiro de 1948. Nesta ocasião, a imagem peregrinou pelo Alentejo e Algarve, passando a fronteira luso-espanhola por duas vezes, em Elvas e Badajoz, e em Vila Real de Santo António.
Por ocasião do Congresso Mariano Diocesano de Madrid, a imagem da Capelinha das Aparições fez a sua quarta viagem, a Madrid, passando por outras localidades, entre 22 de Maio e 2 de Junho de 1948.
Entre 9 de Junho e 13 de Agosto de 1951, aconteceu a quinta saída, neste caso com a visita a todas as paróquias da Diocese de Leiria.
Por ocasião da inauguração do Monumento a Cristo Rei, a 17 de Maio de 1959, a imagem visitou novamente Lisboa e Almada. Foi a sexta saída do Santuário de Fátima.
A pedido do Papa João Paulo II, a imagem efectuou a sua sétima peregrinação fora do Santuário da Cova da Iria. Foi levada a Roma, no dia 24 de Março de 1984, onde, um dia depois, na Praça de S. Pedro, durante a celebração eucarística presidida por João Paulo II, se fez a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. Foi nesse dia, a 25 de Março de 1984, que João Paulo II entregou ao então Bispo de Leiria-Fátima, D. Alberto Cosme do Amaral (falecido a 7 de Outubro de 2005), a bala que o tinha atingido no atentado de que tinha sido vítima a 13 de Maio de 1981. O projéctil foi incrustado na coroa da imagem de Nossa Senhora de Fátima que tinha sido oferecida à Virgem pelas mulheres portuguesas, a 13 de Outubro de 1942.
Esta coroa, chamada coroa preciosa, apenas é usada nas peregrinações aniversárias, ou em outras ocasiões consideradas especiais, estando todos os outros dias em exposição na “Fátima Luz e Paz”, mostra representativa das ofertas feitas a Nossa Senhora ou ao Seu Santuário, patente ao público no edifício da Reitoria do Santuário.
A imagem voltaria ao Vaticano a 8 de Outubro do ano 2000, para, na presença de 1500 bispos de todo o mundo e de milhares de fiéis e peregrinos, Sua Santidade o Papa João Paulo II, na Praça de S. Pedro, consagrar o novo milénio à Virgem Santíssima, diante desta imagem de Nossa Senhora de Fátima, e em união com todo o episcopado do mundo.
“Ó Mãe, que conheces os sofrimentos e as esperanças da Igreja e do mundo, assiste os teus filhos nas provações quotidianas que a vida reserva a cada um e faz com que, graças ao esforço de todos, as trevas não prevaleçam sobre a luz.
A Ti, aurora da salvação, confiamos o nosso caminho no novo Milénio para que, sob a tua guia, todos os homens descubram Cristo, Luz do Mundo e Único Salvador, que reina com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amem”, refere, no 5.º e último ponto, o texto da consagração.

______________________________________________________________

Manhã de 12 de Novembro:

Fátima despediu-se esta manhã da imagem da Virgem

A Cova da Iria despediu-se esta manhã, dia 12 de Novembro, pelas 10h00, da imagem oficial de Nossa Senhora de Fátima, a que habitualmente se encontra na Capelinha das Aparições, e que hoje se desloca a Lisboa, onde, às 20h00, na Praça dos Restauradores, a capital portuguesa se consagrará à Virgem de Fátima, no âmbito do Congresso Internacional para a Nova Evangelização, que termina amanhã em Lisboa.
A despedida da imagem foi uma cerimónia comovente, na qual participaram mais de duas mil pessoas, entre habitantes de Fátima, peregrinos e turistas.
O Reitor do Santuário, que presidiu à celebração, explicou aos presentes o contexto da saída da imagem, e rezou à Virgem pelos participantes no Congresso Internacional para a Nova Evangelização, e por todas as pessoas que, em Lisboa vão receber a imagem, “para que tenham o dom da paz”.
Monsenhor Luciano Guerra pediu também a Nossa Senhora de Fátima que olhe pelos “Seus filhos que vivem desesperados, sem trabalho, sem pão, sem educação, sem saúde e sem rumo na vida”, para que “todos se entreguem ao Coração da Mãe do Céu”.
No acto de homenagem a Nossa Senhora, que antecedeu a substituição da imagem que habitualmente se encontra na Capelinha pela imagem original da Virgem Peregrina de Fátima, o Reitor sublinhou a força de Nossa Senhora que, através desta estátua, “já operou maravilhas no coração, no corpo e na vida de muitas pessoas”.
Ainda durante este momento, o Reitor disse que “o essencial da mensagem de Fátima, tal como o essencial (da mensagem) que Maria levou a sua prima Isabel, é Jesus”, que é “o Mistério Pascal – a morte, ressurreição e glorificação de Jesus, para a eternidade”. Assim, o sacerdote pediu à Virgem que coloque no coração de quem a recebe hoje na capital do país “o Mistério Pascal do Seu Filho, que é a alegria e a felicidade”.
A imagem foi colocada no estojo concebido de propósito para a última saída: a Roma, no ano 2000, onde, a 8 de Outubro, João Paulo II consagrou o novo milénio à Virgem Santíssima. A cerimónia terminou com o cântico “Senhora da Azinheira”, cuja estrofe principal é a seguinte: “Senhora da Azinheira/ Percorrei a terra inteira / Ó mãe das nossa Esperanças/ Senhora das pombas brancas/ Senhora dos Pastorinhos/Senhora da Azinheira”.


(Nota: Fotos na Página da Internet/Arquivo Multimédia. www.santuario-fatima.pt)



<< voltar  |  imprimir  


(C) Santuário de Fátima